Em tempos de pandemia, nutricionista faz alerta para a higienização correta dos alimentos

MANAUS – A maioria da população tem uma grande dúvida se o novo coronavírus pode ser transmitido pelos alimentos e a resposta é: não há evidência comprovado sobre este assunto.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), o comportamento do novo coronavírus deve ser semelhante aos outros tipos da mesma família. Assim sendo, ele precisa de um hospedeiro animal ou humano, para se multiplicar.

O fato é que o vírus é sensível às temperaturas normalmente utilizadas para cozimento dos alimentos e o modo de transmissão nesta pandemia tem ocorrido de pessoa a pessoa, pelo contato próximo com um indivíduo infectado ou por contágio indireto, ou seja, por meio de superfícies e objetos contaminados, principalmente pela tosse e espirro de pessoas infectadas.

O vírus pode persistir por poucas horas ou vários dias, depende da superfície, da temperatura e da umidade do ambiente, mas é eliminado pela higienização ou desinfecção. Assim sendo, uma das estratégias mais importantes para evitar a exposição é redobrar os cuidados com a higiene. Os cuidados básicos na manipulação de alimentos previnem uma série de outras doenças.

De acordo com o nutricionista Gabriel Oliveira, “Não há nenhuma comprovação de que o vírus seja um condutor, pelo fato de precisar de um hospedeiro de sangue quente, animal ou humano, conforme a OMS. Já para manusearmos os alimentos temos que ter alguns princípios básicos de higiene, como: Quem prepara os alimentos deve lavar as mãos com frequência; Manter as unhas curtas, sem esmaltes, e não use adornos que possam acumular sujeiras e microrganismos, como anéis, aliança e relógio; Dar mais atenção à higienização das superfícies ou utensílios após a manipulação de carnes cruas ou vegetais não lavados; Cozinhar bem os alimentos, uma vez que muitos dos agentes transmissores da doença são sensíveis ao calor, entre outros”, declara o nutricionista.

O restaurante Biliskão, localizado na R. Vinícius de Souza Lima, 495 – Parque Dez de Novembro, segue todos os protocolos exigidos pela OMS como a disponibilização de álcool em gel em todas as mesas, o aumento do distanciamento de 1,5m entre as mesas (intercalando sim e não), já para os clientes que vão se servir no sef service o estabelecimento disponibiliza luvas descartáveis, os pratos e talheres são esterilizados, os atendentes são capacitados, treinados em relação à covid – 19 e todos usam os EPIs de segurança.

Há a disponibilização de produtos descartáveis (prato, talheres e copos) caso o cliente queira para se sentir mais seguro, além da casa ter ganhado da Abrasel no Amazonas o selo “Estabelecimento Responsável”, que qualifica como referência de qualidade e capacitação na higienização contra o coronavírus.

Para um dos proprietários do Biliskão, Issac Oliveira, “Os clientes podem sem dúvidas se sentirem seguros nos restaurantes que seguem todos os protocolos, porque são treinados, capacitados justamente para lhe dar com este tipo se situação.

Aqui no Biliskão temos treinamentos exponenciais com a assessoria de um nutricionista que qualifica nossos profissionais da cozinha com a manipulação dos alimentos, o que pode ou não ser feito. Seguimos todos os protocolos pensando no bem estar dos nossos clientes e esperamos que em breve todos possam ser vacinados e assim seguirmos no “Novo Normal””, afirma Issac.

***Com informações de assessoria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

Em Parintins, Governo do Amazonas impulsiona setor primário beneficiando 530 produtores rurais

AMAZONAS – Para impulsionar o setor primário de Parintins (distante 369 quilômetros de Manaus), o Governo do Amazonas realizou na sexta-feira (22/03), a entrega de 1,8 mil mudas de café e citros; aproximadamente, cinco toneladas de alimentos adquiridos pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA); 100 kits do atualiza pescador; 107 cartões do produtor rural […]

Powered by Mixplano Digital  © 2020 Impacto Amazonas